Casa e Decoração

Pinguim, anão, plantas... Saiba como evitar 'micos' na decoração

Na hora de decorar sempre surge alguma dúvida, principalmente se você pensa em aproveitar alguns objetos de estimação, como aquele pinguim de geladeira que era da sua avó. Dá para usar o 'bichinho' em qualquer estilo de decoração?

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 31/08/2015 16:50
Na hora de decorar sempre surge alguma dúvida, principalmente se você pensa em aproveitar alguns objetos de estimação, como aquele pinguim de geladeira que era da sua avó. Dá para usar o 'bichinho' em qualquer estilo de decoração? Ou ele só combina com o estilo vintage? É brega usar plantas como a samambaia? E o que dizer das flores artificiais? Segundo especialistas, na etiqueta da arquitetura, da decoração e do paisagismo, o certo e o errado estão intimamente ligados. Tudo vai depender da forma como os elementos são usados, afinal nada é tão radical a ponto de ser totalmente proibido ou liberado. O site da Revista Casa e Jardim ouviu diversos profissionais para saber exatamente como usar peças e plantas sem pagar mico na decoração. Anote aí e não cometa erros. Pinguim Talvez este seja o mais polêmico dos elementos decorativos. Tem gente que amo, que acha fofo, que odeia... Seja qual for sua opinião, ele é mais legítimo e legal do que estigma de cafona que carrega. Para o designer Marcelo Rosenbaum, usar ou não peças como o pinguim vai depender da história de cada um. Não existe o proibido. "Acredito que a relação das pessoas com os objetos é algo íntimo e pessoal." Cada um tem o direito de colocar o que quiser e onde quiser, desde que aquilo corresponda à sua essência. Isso vale para o pinguim de qualquer cor e material ou outra peça. Fotos de família Por mais que você considere bonitas e emocionantes as fotografias dos seus filhos ou das últimas férias, elas não precisam ficar espalhadas pela casa toda. Uma boa ideia é substituir os porta-retratos por molduras %u2013 de várias cores, formas e tamanhos %u2013 e aproveitar um corredor da casa para fazer sua própria galeria. Já os porta-retratos com fotos de família devem ser usados em número reduzido e na área íntima. Sancas Poucos artifícios arquitetônicos e decorativos despertam tanta indagação quanto a sanca, acabamento que une a parede ao teto com uma moldura de gesso, madeira ou outro material e é sempre iluminada. Acompanhada de luz fluorescente, ela pode lembrar decoração de motel. Por ter sido usada exageradamente dessa forma, gerou a dúvida: como tê-la de forma elegante? A primeira regra é fugir do néon e optar por um sopro de luz mais amarelado e quente. Usar mangueira de luz é uma boa solução . Outra regra: deve-se optar por linhas retas, já que as rebuscadas estão fora de moda. Evite colocá-las em quartos ou salas. Samambaia A samambaia, usada nos anos 1960, 1970 e parte dos anos 1980 em vasos de xaxim com corrente, ganhou fama de cafona por ser vista à exaustão, até cair no esquecimento. Recentemente, a planta foi resgatada e já aparece em vários projetos paisagísticos. Usada de forma correta a planta ajuda a criar um ambiente tropical. Para isso, basta adaptar seu uso aos dias atuais. A proposta é pegar um vaso de desenho contemporâneo, como o de ferro com fibra de coco, de cerâmica esmaltada ou vietinamita, e substituir a corrente por corda. Para quem mora em apartamento e tem varanda, a peça pode criar uma separação do ambiente do vizinho. Outra solução é deixar o vaso como enfeite no canto da mesa. Flor artificial "As flores de plástico não morrem", já dizia a música dos Titãs. Mas não é por isso e porque hoje o mercado oferece opções de ótima qualidade em flores artificiais que se pode abusar delas. Pelo contrário: é preciso bom-senso para evitar o ridículo, ou seja, a pretensão de tentar fazer com que se pareçam reais. Uma boa dica é empregá-las em festas e em lugares onde as naturais durariam pouco. A mistura do postiço com o natural ressecado também vale. Textura Modismo nos anos 1990, as texturas estão sendo cada vez menos solicitadas. Para usá-la a palavra de ordem é cautela. E ainda assim, em ambientes externos, onde exige pouca manutenção. Dentro de casa, se a ideia for destacar uma parede de uma área com pé-direito duplo, por exemplo, o uso até é permitido, mas sempre com economia. Nesse caso prefira cores bem claras. Toalhas de crochê Embora sejam fofas e tenham forte apelo familiar, o ideal é não usá-las de forma convencional, ou seja, em cima da mesa ou embaixo de um vaso. O lance para deixar a peça com uma cara mais atual é customizar. Que tal pegar tais toalhinhas, juntá-las e fazer um belo patchwork? Transformadas em uma manta, podem ser jogadas sobre uma poltrona, um sofá, um banco ou uma cama. Anão de jardim Para muita gente eles estão praticamente esquecidos, mas inda são motivos de muitas dúvidas na hora de ornamentar o jardim. Para o paisagista Alex Hanazaki, o uso destas peças depende de vários fatores. Primeiro, se há dúvida, é melhor não usar; segundo, nada é proibido, mas é importante perceber em que contexto eles serão inseridos e o espírito do dono da casa. O ideal, segundo o paisagista, é customizar a peça, encarando-a como uma escultura. Réplicas de obras de arte Quando o assunto é obras de arte, melhor esquecer as falsificações. Para o decorador Fernando Piva, o pôster com assinatura de grandes museus é uma boa alternativa para trazer uma atmosfera artística para a casa. Essas reproduções assumidas devem ficar em ambientes descontraídos, como cozinhas, copas ou escritório e o nome do museu tem de ficar à mostra. Outra sugestão é usar pôsteres com cartazes de cinema, nos mesmos ambientes. Capa de botijão e filtro Se o galão de água e o botijão de gás podiam passar desapercebido na cozinha, as capas feitas sob medida faziam com que todo mundo reparasse. Os forros para botijão, principalmente, estavam esquecidos, muito por causa das normas de seguranças de armazenamento dos botijões em casa. Caminho de mesa Como enfeitar a mesa da copa? Com caminhos de mesa nada básicos. Os modelos de crochê arredondados e até feitos de pedraria faziam, e muito, sucesso. Forro de mesa de plástico Para quem achava o caminho de mesa over, uma opção barata e fácil de manusear eram as toalhas de plástico das mais variadas estampas. Jogo americano Eles são úteis, mas podem virar um exagero fácil, fácil. Quem não se lembra daqueles feitos de material emborrachado, com pinturas extravagantes (tinha até com glitter) e arrematado com crochê nas bordas? Kit de pia Lixeira é indispensável numa cozinha, mas usar até hoje joguinhos estampados que têm ainda recipiente para guardar detergente e bucha é um pouco demais. Pimenta em conserva Alguns vasos enormes de pimentas em conserva de todas as cores às vezes lotam as pias de muitas cozinhas por aí. Mas, por mais bonitas que sejam e até darem um colorido na cozinha, é melhor recorrer aos pequenos e discretos para não correr o risco de exagerar. Placas de madeira Elas até são divertidas e podem, em alguns casos, combinar com espaços reservados para churrasco, mas se não combinam com sua cozinha, melhor deixar pra lá. Porta papel higiênico Outro grande clássico da decoração brega! Seja de crochê, de tecido bordado, pintado e até caixinhas decoradas grudadas na parede, estes espaços para guardar papel higiênico extra dificilmente ficam bem na decoração, apesar de serem bem úteis às vezes. (Com informações da revista Casa e Jardim e Terra)

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
27 de outubro de 2016