Casa e Decoração

Veterinária dá sete dicas para cuidar do seu pet no inverno

Saiba quais os melhores horários de passeio, se a tosse é um sinal de alerta e que cuidados ter com a alimentação

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 15/06/2015 17:02
As temperaturas caem e a incidência das doenças relacionadas ao frio aumenta não só entre os humanos, mas também entre os pets. "Causadas por vírus e/ou bactérias, esses males levam a crises de tosse semelhante a engasgos, espirros, secreção nasal ou ocular, febre, apatia e falta de apetite", alerta a veterinária Karina Mussolino, gerente técnica do Pet Center Marginal/Petz, em São Paulo. Karina listou sete cuidados que os donos devem ter nos meses mais frios para garantir a saúde dos seus melhores amigos. Confira: Banho em casa e no pet shop É importante usar água em temperatura morna e lembrar de secar corretamente, uma forma de protegê-lo do frio e da umidade. Se o banho for no pet shop, e a temperatura ambiente estiver mais quente no local, para evitar um choque térmico, é importante dar uma volta pela unidade e aguardar cerca de 30 minutos antes de ir para a rua com o animal. Outra opção é usar a caixa para levá-los até o carro. Horário dos passeios Ao passear com os cães em dias frios, opte por horários mais quentes, principalmente pela manhã e ao meio dia. Para saber se eles estão com frio, é possível notar a patinha mais gelada. Durante a noite, a sensação pode ser pior para os animais. Proteção contra o frio Os pets devem ficar em locais protegidos de vento e chuva. Também é importante ter a disposição roupas para cães de poucas pelagem, principalmente, caminhas, edredons e casinhas confortáveis. Gatos gostam de ficar nas janelas, por isso é importante que tenham um espaço mais quente dentro de casa para se abrigarem. Vacinas em dia Não somente os filhotes que devem ser vacinados. É importante o tutor manter sempre a carteira de vacinação dos pets em dia. Doenças que lembram a gripe dos humanos por alguns sintomas semelhantes, a tosse canis (em cães) e a rinotraqueite (gripe dos gatos) podem ser graves, por isso o dono deve ficar atento. Roupas e acessórios Quanto às roupas, opte por tecidos naturais e estilo que seja confortável aos cães. Nem sempre aquelas mais bonitas, são as melhores. Os movimentos dos bichos têm de ser preservados. Por outro lado, algumas podem causar nós naquelas raças mais peludas. Baixa umidade Quando não chove, os cães e gatos apresentam sintomas parecidos com os dos humanos, como coceiras nos olhos, boca seca, dificuldade para respirar e desidratação. Nesta época, os hospitais veterinários tem uma alta considerável no atendimento a animais com problemas respiratórios, principalmente filhotes, animais idosos e que já convivem com doenças respiratórias. Alguns animais com focinho curto, como o Shi-Tzu, o Pug e os Bulldogs, já têm dificuldade para respirar e acabam tendo o problema agravado. Muitos animais necessitam até de inalação para amenizar os efeitos do ar seco. Comida em excesso Assim como os demais membros da família, os pets também comem mais no inverno. Por isso é essencial ficar de olho na alimentação de cães e gatos. Reduzir a oferta de petiscos nesta época do ano, em que o animal muitas vezes fica menos ativo em razão da diminuição dos passeios devido ao frio, a dica é falar com o veterinário para ver se ele indica uma ração light, nem que seja misturada à ração comum.

Tags: sustentabilidade

Anúncios do Lugar Certo

Últimas notícias

ver todas
27 de outubro de 2016